PLUS

FAG FAN vol.1

Cigarettes are an important part of who I am.

Esse é o meu favorito dos 4 leques pra expo AMEN, que inaugura quinta dia 18 em Toronto - Canadá. O verso é branco e leva um carimbo do meu logo em preto.

Fab fan - this piece will be in the AMEN show, opening thursday 18th in Toronto - check @a.mens.eroticart.network for updates. Back is blank except for a black logo stamp.


Aprendi uns truques com essa pintura. Eu tinha feito um estudo no meu sketchbook, que deixei pra lá porque não consegui um efeito bom com as cores que tinha na mão. Daí faltou ânimo pra transferir pro leque. 

Fora que pra esse layout ficar legal eu teria que basear tudo em cores ao invés de linhas, tipo os anjos que copiei a um tempo atrás. Meu primeiro esboço foi meio um fail nesse sentido.

Me animei lendo as cartas de Van Gogh, que me deu altos toques quanto a teoria de cores. Enquanto lia eu comprei canetas novas, daí com a paleta aumentada e umas lições na cabeça eu me atrevi a tentar um novo take.

Reading Van Gogh's letters to Theo got me into color theory and excited me to try new techniques - painting with markers is not that different from watercolors, for example. One can work the same basis of mix and match to achieve similar effects. 

A photo posted by IZM SANMA (@izmsanma) on

Aqui embaixo o primeiro rascunho e a sequência pós livro. Antes todo em laranja e bege, meio morto, depois experimentando com amarelo, marrom e roxo em busca de novos tons. Levei pro leque os amarelos e o roxo, que misturados vão do laranja até cinza.

Here you can see the first draft and a second one, post reading. Before I had only some oranges and beiges which didn't really match, but after I got new colors and tried new techniques I got bold with yellow and purple and worked it out on the fan.

Empolgado com o as cartas, recomendei o livro por escrito pra uns amigos - e no clima da troca entre Theo e Vincent, mandei os esboços pra um deles que está experimentando com pintura, Talvez isso o incentive.

I reviewed the book for some friends by writing some letters myself  - I saw it fitting in this context. I also sent these sketches to one of them, who is an artist and is experimenting with painting, trying to get him into it. 

A photo posted by IZM SANMA (@izmsanma) on

PORN by Pornceptual: 3 Years

2 pics 1 painting.

This is for the PORN by Pornceptual: 3rd Year Anniversary party, coming July 30rd in Berlin. Here we have Raquel, Emre and Chris Phillips - the last is a friend and founder of the Pornceptual brand. He's the one who comissioned me.

Essa ilustração é pra comemorar o aniversário de 3 anos do Pornceptual, com festa no dia 30 em Berlim. Na imagem estão Raquel, Emre e Chris, que tocam o projeto. Usarei esse post pra falar um pouco da imagem e suas referências. 

I talked to Chris about making some art together: I wanted to "cast" him and his twin in a remake of the Gabrielle d'Estrées double portrait, so I asked if they could pose for me. But since Eric lives in England so we couldn't stage the pic yet. Moving on...

Faz um tempinho eu conversei com o Chris sobre fazer arte juntos - tive a idéia de releitura do retrato duplo da Gabrielle d'Estrées, colocando ele e o irmão gêmeo como protagonistas. Ele curtiu a idéia e eu pedi uma foto de referência, mas como o irmão mora na Inglaterra, ainda não rolou.

A photo posted by IZM SANMA (@izmsanma) on

Two weeks ago Chris asked me to do the flyer, so we decided to use the painting as a base for three half-lenght figures. On top of that we'd need some sort of cake and kinky elements, but keeping it cute & social media friendly.

Umas semanas depois, Chris veio e me encomendou uma ilustração pra festa com três figuras usando a pintura como base. Outras orientações foram que deveria incluir um bolo e elementos de fetiche, mas que pudessem ser postados online.

I asked for them to pose and got a photo featuring Raquel, Chris and lovely Francesco as an stand-in for Emre, who sent me his photo later. Took me me several days to arrange, draw and paint everything after two pics and one painting.

Daí arranjamos de tirar uma foto base com os participantes, Raquel e Chris mais um substituindo o Emre, que não conheço e mandaria a foto em separado. Chris teve a idéia de um bolo na cabeça, e essas são as imagens que recebi: 

Asides from merging photo and painting, plus changing guys, I also did a bit of styling: A fork for Emre, an 18th century wig for Raquel and a Vivienne Westwood penis pendant for Chris' choker, from Andreas Kronthaler's debut collection.

Tive então que compôr a imagem usando a pintura e duas fotos, acessorizando Emre com um garfo [porque quem come bolo com hashis?], Raquel com uma peruca do século 18 e Chris com um pingente Vivienne Westwood.

The baloon was a last minute addition. Then it got printed as flyers and delivered to loads of sex shops in Berlintown! Just in case you're in the city and/or didn't see the memo, get into it via Facebook event.

O balão com o número "3" foi um toque de última hora. A ilustra virou flyer e põster, distribuídos nos sex shops da região. Se você estiver em Berlim e/ou quiser apoiar o evento, cata as infos no Facebook.

A photo posted by IZM SANMA (@izmsanma) on

CHÁ DAS RIHANNA @ ASTRO 02/04

Na na na come on!

GGE.me - CHA DAS RIH.png

Começo abril desenhando pro Chá das Onze especial Rihanna. Lizzy me pediu uma Rih boladona com referência às músicas da cantante, e me deixou livre pra criar o conceito. 

Montei um esquema de pose e fui colocando elementos conforme fui desenhando. Temos uma umbrella, chicote [S&M], a coroa e o sangue de ANTI, as tattoos [atualizadas pra 2016] e um fundo Illuminati porque ela é a princesinha do negócio. E pra não deixar a figura só no mundo dela, coloquei chás nas cores da festa pra fazer uma integração.

Aproveitando o embalo e já pensando como flyer/poster, editei uma tipografia a partir do "R" de Rated R. Isso foi útil pra materiais promocionais que não suportassem a ilustra inteira.

As diagramações finais não são minhas, meus créditos ficam só na criação da imagem e elementos. Se você viu o ultimo slide, tá rolando uma promoshare pra ganhar VIPs, poster e vale-tattoos. Só chegar no link!

A photo posted by IZM SANMA (@izmsanma) on

International visitors can get this illustration as tees and trinkets at Society6 Go-Guy Express SALE.

IZM & GGE.me + FANTASTIKA 30/01

Todos a bordo!

Assinei dois marinheiros para a Fantastika Sailors do dia 30 na Astro Club - PoA. A figura do homem é derivada da arte Patrick e a mulher segue o estilo. Layouts por Pablo Nob. Depois linko as fotos da festa, espero que fiquem ótimas.

Detalhes pra notar: o tapa-olho do guy e o brinco da girl são o "A" do logo da festa. They're branded. E sou eu, ou comparando com a arte à mão essas versões digitais ficaram animescas? Pensei Daft Punk e acho que combina.

ANGÉLICA TEE

A photo posted by IZM SANMA (@izmsanma) on

Dia 12/12 estive em SP pra dar uma força no lançamento da tee Angélica Môller em parceria com a AMP, no mezanino da Hedra+AMP Coworking da Fradique Coutinho. Ilustrei a Angélica em 2 versões, uma preto-e-branco pra estampa da camiseta, mais uma colorida e com mais detalhes no estilo dos meus retratos POP.

Pra pop-up expo levei o retrato da própria Angélica mais Adele, Volatille, Cezar Andrade, Lady Gaga e Gui Zorato, distribuídos no mezanino da loja pra dar uma corzinha pro lugar. Também penduramos as tees improvisando uma decoração, olha aí: 

A photo posted by IZM SANMA (@izmsanma) on

Além do lançamento da tee também rolou um bazar com as criações de British Made, Koven Company, Tabacco and Leather e Visage Vintage. Cata um pouquinho do que rolou, a galera está com uma produção super cool:

A photo posted by Gabriel Moura (@gbrlvmr) on

A photo posted by Gabriel Moura (@gbrlvmr) on

IZM&GGE.me + Angélica Möller for AMP

12/12 - PINHEIROS/SP

No próximo sábado eu me junto com Angélica Möller pro lançamento de uma tee exclusiva e limitada dA Mulher do Padre ilustrada por mim. Quando a Angélica lançou a idéia da parceria a um tempinho atrás, eu animei pra - e agora depois de trabalho e ansiedade, vai rolar! 

A photo posted by IZM SANMA (@izmsanma) on

A estampa ainda é segredo, não publiquei a ilustra online. O tema e modelo são, óbviamente, a Angélica, em duas versões: uma para a camiseta, minimalista, e outra adaptada para o formato da minhas série de retratos POP, que falando nisso...

Angélica também agitou uma pop-up expo pra eu levar esses retratos - que agora estão quase como que em "turnê": tenho 4 expostos em Volta Redonda até o meio de dezembro, e outros dois deram uma passada num show da Penelopy Jean esses tempos.

A photo posted by IZM SANMA (@izmsanma) on

Ainda estou considerando quais retratos levar - por enquanto minha lista engloba os novos de Adele e Angélica, mais os retratos dos amigos Cezar, Gui, Volatille e mais um a decidir. 

A photo posted by IZM SANMA (@izmsanma) on

Fora isso o evento também terá drinks, kebabs e bazares [um deles, Visage Vintage Shop] pelo bestie Gabriel Moura. Isso dia 12. Estão todos convidados, pra tudo. Nos vemos!

IZM&GGE.me + PENELOPY JEAN @ GAGA EXPERIENCE TOUR

BOM JEAN!

Quando fiquei sabendo que a Penelopy Jean ia vir pra cidade, achei a deixa pra colocar nosso contato em dia e fazer algo junto. Aproveitei pra falar com ela [como Renato] e preparar umas surpresas, a melhor delas no formato de um retrato POP especial:

A photo posted by IZM SANMA (@izmsanma) on

Eu estava "devendo" um retrato pra Penelopy faz muito tempo; a gente já conversou sobre, mas eu não me organizava. Quando lancei o da Lady Gaga em 2013 ela curtiu e até chegou a usar de perfil.  Apesar de não ser feito pra ela, combinava com o trabalho que ela estava desenvolvendo.

A photo posted by IZM SANMA (@izmsanma) on

Minha procrastinação era inversamente proporcional ao respeito que tenho por ela - que ao contrário de mim trabalhou super duro esse tempo todo e o sucesso a leva em turnês. Aproveitando que uma parada seria por aqui, não tinha melhor hora pra tirar todo o atraso e colaborar com as amigas. 

Snapchat: @izmsanma

A idéia de resolver o retrato finalmente saiu da animação que tive com as versões impressas dos POPs na exposição #HashtagVR, fiquei satisfeito com os desenhos fora do computador e recebi feedbacks ótimos. Então decidi que ia colocar esse pra frente, mas tudo de surpresa. 

Foi uma semana pra decidir a imagem de referência, executar e imprimir o retrato. Aproveitei e fiz um remake do da Gaga, que tinha perdido durante a vida e trocas de pc. Levei várias cópias pra enfeitar o Auê Bar, e emplaquei um pra ela levar de presente. 

Depois de fazer os retratos e levar pro clube, fiquei na minha, descansei e voltei de boas, esperando a P chegar como estrela. Que chegou e nem vi - perdi um oi e as boas-vindas à cidade - mas quando me chamaram pro camarim foi só alegria. 

Parte da noite passei no camarim tendo kikis que pra mim foram bem especiais - temos algo em comum por sermos conhecidos de SP, e estarmos [no dia] trabalhando em uma cidade diferente. E ver e presenciar o colega ao lado trabalhar duro e fazer sucesso, contando, ouvindo e discutindo sobre a vida, foi bem edificante.  

Tirei umas lições boas do papo. Além do retrato, levei de presente uma Gianni tee, e ela foi super gentil de se oferecer pra vestir num photo-op jabá básico. Considerando o tanto de fotos que saíram, eu mesmo deveria ter levado um look extra também. Vida.

Penelopy levou uma mala e 3 looks caprichados, e ainda fez um meet & greet com os Little Jeans da noite. Todas as fotos do evento estão no Facebook. Foi muito amor, muito sucesso. Conheçam, apoiem e sigam mais da linda no Instagram e Facebook!

IZM + Clube do Bordado: Bordado 101

Vamos falar de bordado?

O Clube em 2015: Camila Gomes, Marina Dini, Laís Souza, Renata Dania, Vanessa Israel e Amanda Zacarkim

Eu tenho uma historinha com as meninas do Clube do Bordado: nos conhecemos num Pop Porn e colaboramos na Love Porn. Eu as admiro e respeito tanto que quando comecei a desenhar com agulha e linha, contei com elas pra pedir umas dicas de comadre bordadeira. O texto aqui embaixo é um papo que tivemos via Google Docs.


Quando comento que estou fazendo um bordado [e não que estou bordando], a galera fica toda impressionada. Quer dizer, até um tempo atrás toda jovem bordava, como hobbie até. No "As Meninas", meu livro favorito, Lorena fala pro Guga trazer uma camisa que ela borda um patinho "na perfeição". Era mais um passatempo que um presente. E não precisa ir muito longe - na casa da minha mãe tem revistas dos anos 70-80 só ensinando a fazer isso.

É incrível como o costume meio que sumiu, sendo que hoje em dia dá pra aprender a fazer ponto perguntando pra qualquer tia, ou olhando um vídeo no youtube. Até achei que a galera estava perdendo moral e bons costumes porque se todo mundo fazia, não devia ter tanto mistério. Além de tudo, a impressão que eu tinha com a minha mãe bordando em casa e com as séries de vocês a toda, era de um trabalho super tranquilo.

Isso foi até eu começar o meu primeiro bordado.

A photo posted by IZM SANMA (@izmsanma) on

Só Jesus sabe como isso me deu trabalho - não imaginava que bordar pedia tanto tempo e esforço! Vi que não é porque é mais ou menos simples que é um processo fácil. Depois de bordar um desenho inteiro do começo ao fim eu tiro meu chapéu e dou parabéns pra vcs que estão levando a produção a sério e o negócio pra frente.

A história é a seguinte: um amigo me encomendou um bordado e eu aceitei o serviço mesmo não executando um bordado completo até então. Mas aceitei confiante que daria conta, vendo a encomenda como uma ilustração, só que em outro formato. Ele me pediu um marinheiro, e eu ia desenhar com agulha, não é interessante? No mais, eu teria minha mãe pra me ensinar a técnica, e me emprestar (dar) material. Só precisaria de esforço, dedicação e inspiração.

Claro que minha única certeza é que o layout do bordado ficaria bom [no que eu posso fazer], mas o objeto ainda corria o risco de ficar uma bagunça. Daí fui na humildade e fiz um teste bordando a figura do começo ao fim em um bastidor um pouco menor que o planejado. Um tempão e vários snaps depois, peguei a prática que precisava pro original, mas nesse tempo tive vários problemas e umas dicas amigas seriam muito bem aproveitadas, se eu tivesse as pedido a tempo.

A photo posted by IZM SANMA (@izmsanma) on

A photo posted by IZM SANMA (@izmsanma) on

Como por exemplo, num dia que levei o bordado pra uma feira de rua, eu vejo vocês fazendo isso, as fotos do insta ficaram ótimas. Só não me toquei que é preciso todo um cuidado; tinha colocado o bordado dentro da bolsa e ele se sujou [olhando bem, isso não foi muito prudente]. Como sair com o bordado por aí, vocês embrulham em papel de seda, pôem numa caixa, ou envolvem em pano mesmo? No mesmo pano que está sobrando no bastidor?

Renata: eu sempre uso aqueles saquinhos de tecido onde vem sapatos ou roupas quando você compra na loja, sabe? eu sempre guardei esses saquinhos para embalar coisas de viagem e organizar coisas nos armários. Desde que comecei a bordar sempre separo as cores de linhas, tesoura, bastidor e risco em um saquinho e só tiro de lá quando o bordado acaba. Acho bem importante ter algum lugar pra colocar o bordado e protegê-lo da sujeira e do contato com outros objetos, que podem “machucá-lo”. 

Amanda: No começo eu andava com o bordado ‘em progresso’ dentro da bolsa sem muitas preocupações… Por sorte não acabei sujando ou estragando todo o trabalho. A coisa melhorou quando comprei um organizador de bolsa - tipo um case para iPad com divisórias para celular e carregador feito de um material resistente - e passei a usá-lo para o bordado: onde iria o iPad eu coloco o bastidor com o tecido que está sendo bordado; onde iria o celular deixo uma caixinha de agulhas, tesouras e linhas da vez. Assim o que estou bordado está sempre comigo na bolsa ou mochila e essa praticidade já me salvou de bons momentos de espera ou tédio nos lugares mais improváveis. 

Camila: em saquinhos de sapato tb.

Vanessa: sempre guardo num saco de sapato e coloco esse saco dentro de uma sacola plástica. Tudo porque já aconteceu de uma bala derreter e melar bordado, saquinho, tudo. Mas assim, eu não tenho a competência necessária pra bordar enquanto muitas coisas acontecem ao meu redor (parques, feiras, etc). Então, se vou pra rua com ele é mais pra fazer charminho mesmo. rs 

A photo posted by Renata Dania (@renatadania) on

A photo posted by Laís de Souza (@la.lais) on

As vezes uma galera parava pra olhar. E daí fiquei meio nervoso e já senti um calor na testa. E nas mãos, acontece que minhas mãos suam, e acho que isso sujou o bordado, reparei que o tecido começou a ficar encardido depois de um tempo. Tá que fazer arte é se sujar, literalmente, de um jeito ou de outro, mas se não é opção lavar as mãos a cada ponto, o que fazer, existe lavar o bordado? Ou usar luvas cirúrgicas? 


Renata: Olha, não sei muito como te ajudar com essa questão da sudorese. Acho que você podia testar as luvas cirúrgicas para ver se se adapta. Sobre lavar as mãos, é importante sempre lavá-las antes de começar a bordar porque o tecido suja com facilidade, mesmo. 

Amanda: É engraçado quando as pessoas param para olhar, né? No começo eu bordava na minha hora do almoço em qualquer lugar que pudesse sentar tranquila. E assim já bordei em cafés da Paulista e na Livraria Cultura, principalmente. As pessoas ficavam chocadas! Vinham perguntar o que era aquilo e eu nem acreditava em tamanha comoção, rs. Eu acho que pode existir lavar bordado depois de pronto caso o tecido suje, mas se você estiver 100% seguro da qualidade das linhas usadas, para que elas não manchem. Mas aí o desafio seria passar com perfeição o tecido lavado e seco sem queimá-lo. Entre esses riscos e a luva, talvez a luva seja mesmo mais prática. 

Camila: acho que luva não rola, vc perde mto o tato, nem dedal eu consigo usar. Dá pra lavar, mas com mto cuidar, não por manchar, mas tem linha q começa a ficar mto “peluda”. Acho q o negócio é lavar as mãos de vez em quando mesmo.

Vanessa: primeiramentchy, nunca consigo bordar plenamente com gente olhando. Ás vezes até acho que to conseguindo, mas depois na tranquilidade da minha casa vejo que fiz algumas cagadas enquanto bordava sob pressão e acabo desmanchando. Sobre suar, faço intervalos mais ou menos 1 vez a cada hora (me dá muita dor nas costas e nas mãos, já fiquei até travada por 4 horas num sofá sem conseguir alcançar o celular pra pedir ajuda, rs), então acabo sempre lavando a mão nesse momento. Sobre o problema com as manchas, eu não lavaria um bordado depois de pronto porque você corre o risco de o tecido encolher e engruvinhar o bordado. Misture um tiquinho de vanish com água e esfregue com uma escova de dentes bem em cima da marquinha, a sujeira sai e você não corre risco nenhum.
E contra todos os males: borde em algodão cru que já tem cara de sujeira mesmo ahaha.


As linhas também podem sujar né? Pra trabalhar de um jeito sensato é melhor fazer de dentro pra fora, ou linhas contínuas e longas primeiro e mais curtas depois, ou não depende do comprimento mas sim das cores? Tipo, o que levar em consideração - é tipo fazer uma pintura?

Renata: sim, as linhas também podem sujar, ainda mais os tons mais claros. A dica do saquinho é boa porque todos os materiais ficam protegidos. Eu gosto de bordar de dentro pra fora, ou de cima para baixo, ou de baixo para cima, de forma que se mantenha uma direção para não ficar tendo muito atrito com o que já foi bordado (deu pra entender?). Dependendo da linha usada, se você fica passando a mão em cima muitas vezes ela solta uma penugem que deixa um resultado estético ruim, além do perigo de sujar. Sobre o comprimento das linhas, eu uso normalmente um tamanho de aprox. 25cm cada vez que coloco a linha na agulha. Usar pedaços muito extensos de linha aumenta as chances de dar nós ao longo dos pontos, além do que a tensão da linha sendo passada muitas vezes entre os buracos pode fazê-la arrebentar. 

Amanda: Eu também costumo fazer os pontos maiores ou mais trabalhosos primeiro para tentar não ter tanto atrito com eles depois. Renata arrasou nas dicas aqui em cima!

Vanessa: Ah gente, eu preencho o meu bordado da maneira mais caótica que vocês podem imaginar. Primeiro todos os contornos e depois camadas e mais camadas de detalhamento. O lance é que eu vejo a arte mais como uma ilustra do que como um bordado, daí uso a linha como se fosse um lápis mesmo. Nunca tive problema com linha suja.

A photo posted by IZM SANMA (@izmsanma) on

Depois do primeiro "rascunho", resolvi fazer o novo e definitivo com pano, linha e agulha diferentes. Achei que ia ser de boa, porque já vi como os pontos funcionavam, já tinha usado o bastidor, e pensado em todos os problemas que a gente está conversando agora. Mas Jesus, que dificuldade: a cada ponto uma preocupação diferente - é a linha que enrosca, o susto com os estalos que o pano dá com essa agulha grossa, e mais a força e toda a concentração que o serviço pede fora eventuais espetos de agulha,. É como treinar Mortal Kombat num Mega Drive e ser desafiado num Super Nintendo [minha idade tá aparecendo com essa analogia]. Isso é de se esperar? Cs fazem testes e "rascunhos" com frequência?

Renata: como estou bordando há 2 anos, normalmente começo a bordar direto no tecido definitivo, quando são os pontos que já estou habituada a fazer. Mas sempre que vou fazer algum ponto diferente ou misturar técnicas testo em um tecido de rascunho antes. Esses dias fui fazer uma aquarela em um bordado que tive que fazer 3 testes diferentes antes de ir para o risco definitivo. Bordar exige muita paciência, atenção e cuidado. Tenho aprendido muito com o bordado e trabalhado todos esses requisitos, além da ansiedade, programação e organização. É bem mais difícil do que parece, eu diria, hehe. 

Amanda: Izumi, eu nem acreditei quando você disse que os snaps que vi eram o rascunho de um bordado(!). Achei isso muito especial - num nível japonês de perfeição, é claro! Eu não conseguiria fazer um rascunho antes de uma versão definitiva. Acho que demoraria mais e acabaria sem ânimo para fazer a versão final, sabe? Com a prática, você vai encontrando o tamanho de linha ideal para trabalhar, as melhores agulhas e outros materiais. O bordado também é terapia para mim, e a maior delas é fazer algo do começo ao fim com minhas próprias mãos, já que sempre fui muito encanada de não saber desenhar ou me expressar visualmente. Então, para mim, é comum chegar ao fim do processo pensando que poderia ter usado outras cores, feito aquele ponto de outro jeito, mudado uma fonte… Mas esse ato de finalizar o bordado é importante pra mim, e assim vou tentando melhorar sempre nos desenhos e bordados seguintes. 

Vanessa: pra mim o rascunho é o desenho que faço no papel, não tenho muita crise com o resultado final, sigo o meu coração e vou confiante hehe Só que também não tenho preguiça de desmanchar. 50% do tempo que me dedico a bordar, passo desmanchando.

A photo posted by Renata Dania (@renatadania) on

A photo posted by Laís de Souza (@la.lais) on

E os dedos doem mesmo, ou tô doing it wrong? Minha mãe comentou que seguro a agulha errado, mas acho que funciona pra mim [tá que eu quebrei uma ao meio durante minha primeira aventura e também já furei meus dedos a rodo, mas agora já me ajeitei]. Vocês têm seu jeitinho especial de segurar agulhas ou existe mesmo um protocolo? Afinal, as regras são, em teoria, pra facilitar a vida né. Mas e se você for canhota? Tem alguma canhota entre vcs?

Renata: Acho que eu seguro do modo tradicional, com um dedão e o indicador segurando a agulha. O que acho que difere de pessoa pra pessoa é como a outra mão se comporta. Porque enquanto uma mão segura a agulha, a outra ajuda no apoio do tecido e bastidor. Eu sempre uso o dedo médio da outra mão para ajudar no avesso (mas para mostrar isso só em um vídeo eu acho, hehe. Sou canhota também, e a diferença é o sentido no qual bordamos (os canhotos sempre bordam de baixo pra cima, enquanto os destros de cima para baixo). Para os iniciantes sempre recomendamos a agulha número 7, ela tem um bom tamanho de buraco para passar a linha e não é tão grossa a ponto de marcar o tecido. A ideia é evoluir com o tempo e usar agulhas cada vez menores.  

Vanessa: eu seguro a agulha de um jeito diferente do das meninas, um jeito mais infantil talvez.. mas acho sussa, peguei uma agilidade boa e consigo fazer todos os pontos sem problemas.

Let's talk about nails. Cs acham que ajuda ou atrapalha? 

Renata: Acho que atrapalha. Mas eu não uso unhas longas há muito tempo. Sempre tive o hábito de fazer as unhas e elas estragam com mais facilidade quando se está bordando. Sem contar que vááárias vezes a agulha entra embaixo da unha e da pra ver estrelas de dor, e acho que com as unhas maiores a probabilidade disso acontecer aumenta. 

Amanda: Olha, eu gosto de unhas curtas, mas sempre que deixo crescer um pouquiiinho, no meu caso, sinto que ajuda. Especialmente para desfazer uns nós no avesso que você nem viu se formando ou, justamente, para fazer o apoio no avesso do tecido - esse mesmo que para a Rê machuca se encontrar com a agulha. Mas isso tudo é eventualmente, na maioria das vezes uso mais os dedos do que unhas nisso - e até hoje nunca usei dedal. 
Vanessa: Atrapalha mointo.

A photo posted by IZM SANMA (@izmsanma) on

E atrás do bordado? É importante não parecer um ninho de passarinho? 

Renata: olha, esse assunto é beeeeem polêmico. Os puristas do bordado dizem que se avalia um bordado pelo avesso. Os transgressores acham que avesso bom é avesso bagunçado. Eu gosto de avesso bonito. Acho esteticamente agradável e acho que condiz com o propósito do bordado, de mostrar o belo. Mas não julgo quem tem avessos desordenados, como também acho que existe beleza nos pontinhos tortos. 

Amanda: Vai do seu nível de perfeccionismo, hehe. Eu particularmente acho massa pensar o bordado também para o avesso, escondendo nós e deixando o mais próximo possível da frente. Mas não é uma encanação para mim, do tipo, que vou acabar uma linha antes ou mudar o que estou fazendo só para que o avesso fique perfeito. 

Vanessa: passei muito tempo em busca do avesso perfeito, agora desencanei um pouco. O tipo de bordado que gosto de fazer (aquele com hachuras) não permite um avesso maravilhoso. E pra falar a verdade, acho bem poético o avesso do bordado mais abstrato, um clima de voodoozinho. 

A photo posted by Renata Dania (@renatadania) on


E finalmente, como entrar no clima, como vcs gostam de trabalhar, o que não pode faltar? O bordado que entregarei pro meu amigo está sendo feito longe do sol, em casa, numa mesa e alternando entre o pc, de onde digito essa conversa, a pia do banheiro onde lavo a mão depois de digitar e mexer no touchpad, e o bordado, aqui do ladinho. De headphones, ouvindo podcasts e músicas cafonas. Qual o soundtrack de vcs?

Renata: eu gosto de variar os locais e posições em que bordo. Gosto muito de bordar na cama e no sofá, sempre variando a posição das pernas para não fazer mal à circulação. Sempre me policio para manter a coluna ereta, porque a tendência é virar uma concha em cima do bordado. Gosto de ouvir o podcast do “mamilos”, no B9, e de ouvir músicas também, mas depende do clima em que estou no dia para saber a trilha sonora. Som de televisão nunca, jamais! Acho que não pode faltar uma garrafinha de água enquanto borda, para não esquecer de se hidratar e alongar os braços, ombros e pescoço de tempos em tempos para não ficar com muitas dores. 

Aiii, amei responder as perguntas também, Izumi! Achei bem interessantes e coerentes seus questionamentos. Tudo lindo e quero ver essa publicação do sucesso logo <3

Amanda: Acho que até pela forma como o Clube começou, eu amo bordar conversando com mais gente! Já cheguei a ficar tão viciada nisso que chegava na casa de amigas e já ia sentando em roda tirando o bordadinho da bolsa - mesmo quando elas me esperavam para, sei lá, jantar! haha. Meu outro jeito muito preferido é bordar ao ar livre, de preferência num parque/praça/gramado. Caso nenhuma dessas possibilidades exista além do ‘ao ar livre’, tipo um café com mesas para a rua ou uma área de casa ou de centro cultural também são bem-vindos, eu amo esse ‘fora’, me dá uma energia boa que passa para o bordado. Em casa, gosto de bordar com a luz do dia e de preferência só ouvindo música, já que seriados ou coisas do tipo tiram minha atenção. ;)

Vanessa: gosto de ter bastante tempo pra bordar, se só tiver 1 horinha, nem cogito. Sou bem concentrada, quando começo vou longe. Gosto de escutar séries, podcasts e os canais mais esdrúxulos, daqueles que a gente esconde que assiste. Daí evito tomar café, porque me deixa trêmula, evito vinho tinto porque se dou aquela lambidinha na ponta da linha pra passar a agulha mais fácil, fico toda encanada de manchar. Não sou muito boa de bordar e conversar, então pra mim é um processo bem solitário.


E esse foi o papo com as meninas, espero que as dicas ajudem e inspirem quem tiver começando. Ficam os PS: Curta o Clube no Facebook e compre nosso bordado colaborativo [peça única para a coleção LovePorn]. PS2: O bordado-rascunho de "Gérard" está em display no Brechó Hipster, em Volta Redonda - RJ.

IZM&GGE.me @ VR Graffiti

Pintando no fim do muro - Hashtag #VRGraffiti.

Faz 2 semanas que fiz o meu primeiro graffiti em Volta Redonda, mas só agora recebi umas fotos em alta - daí venho contar como foi. Minha pintura está no fim do muro do Jardim Amália, exatamente no ponto que Google mapeei aqui:

Quem me chamou pro rolê foi o meu amigo Rick Fire, que me orientou na técnica do negócio e deu uma força com o material. Colei no muro sábado e domingo, primeiro pra conhecer o esquema, depois pra pintar.

O Rick e mais grafiteiros da região são patrocinados pela prefeitura de VR, que cedeu quilômetros de muro pra galera fazer arte. O street view aqui em cima tá super desatualizado, mas pelo Insta dá pra ter uma idéia do que tem lá.

Conversando com a galera no sábado eu peguei várias dicas - desde o que vestir até o que pintar, e principalmente como pintar - E no domingo apareci bagaceira para redesenhar a punk girl que tenho no meu blackbook como rascunho, colagem e xilogravura.  Na minha cabeça ia ser simples - trabalhoso, claro, mas simples, sim.

A photo posted by IZM SANMA (@izmsanma) on

Acabou que é difícil ser simples - A idéia era essa, mas quando me vi sem preto e com 4 cores na mão, tive que me adaptar. E deu no que deu. Até pensei em mandar uns snaps, pedir opiniões, mas era muito trabalho e pouca 4G. A pintura levou 4 horas, terminando um pouco antes do sol se pôr.

A evolução do design terminou nos anos 80: Experimentando com as cores no traçado, a mulher saiu do punk e foi pro território Grace Jones - um 360, ela até qualifica, né? Enfim. Outra coisa punk foi a dor na ponta dos dedos depois de apertar bico de spray a tarde inteira,

Conversei bastante com o casal Fawe e Priscila, que desenharam os personagens do lado e ainda lançaram um lettering [Fawe], uma Mulher Maravilha [Pris] e mais um personagem isolado, tudo no finde. Além de trocar várias idéias, a Pris me deu um help com a técnica, meio que me guiando no processo todo. Muito gente boa. 

Me despedi da galera no comecinho da noite, depois que chegaram uns amigos pra clicar a pintura. Eu ainda não sei se volto ao muro como pintor, mas por hora já fiquei contente só com a experiência. Foi legal.